Onde Estava no 11 de Setembro

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Pinterest
O 11 de Setembro de 2001 foi um dia que mudou o mundo. É uma frase repetida nos principais meios de notícias sempre que o dia se aproxima. A queda das Twin Towers provocada por um acto de terror mudou a forma como nós, enquanto humanidade, lidamos - ou aprendemos a lidar, - com os actos terroristas. Foi o primeiro acto que provocou um impacto que ecoou pelos países ocidentais como um murro. Lentamente, à medida que as noticias se iam disseminando, começámos a conhecer as histórias das pessoas que tentaram sobreviver, dos corajosos que procuraram por uma saída ou que deram a vida por outros e, de repente, aquelas também eram as nossas pessoas e o ataque era pessoal.
Tinha nove anos de idade no dia em que três mil pessoas morreram. Estava numa piscina perto de casa a celebrar o aniversário de uma amiga. Lembro-me de brincar aos nadadores salvadores, de não ter medo de ir para a parte funda da piscina e de comer um gelado. Fomos para casa dela a pé onde os adultos não paravam de murmurar entre si. À hora da refeição vimos na televisão dois prédios a arder. Não nos preocupámos e fomos brincar para o quarto onde passámos a tarde, claramente despreocupadas. Algumas horas mais tarde, fomos cantar os parabéns, quando na televisão imagens dos dois prédios a cair passavam on repeat.
Foi um início de um ano escolar estranho, pois lá explicaram-nos o sucedido e fomos expostos ao horror do sucedido e lembro-me claramente de pensar e sentir duas coisas. Fiquei aliviada, por os nossos estarem a salvo neste país pequenino mas pacífico, pois a professora garantiu que nada nos ia acontecer. E lembro-me de pensar - apesar do horário não coincidir - que enquanto celebrávamos um aniversário e cantávamos os parabéns, pessoas morriam. Foi uma experiência surreal para uma criança de nove anos que estava, pela primeira vez, a perceber a dimensão do mundo, da morte e da vida. 
A partir daí foi uma correria para tentar compreender o sucedido: os porquês e os como. Não se ouvia outra coisa nas notícias e, gradualmente, com os anos também eles a passar, comecei a procurar por documentários, por filmes sobre o sucedido. Emocionava-me com os relatos e com os murais e com as homenagens e via as clássicas teorias da conspiração que pouco tinham de fidedigno, documentários sobre os que não sobreviveram, entrevistas aos familiares e à forma como relembram o dia e os últimos contactos, filmes sobre o sucedido nos aviões ou nas torres. As imagens eram horríveis mas continuava a vê-las. Não era a única. Foi quando aprendi que o ser humano possui um estranho fascínio pelas tragédias.

E vocês lembram-se do dia? Onde estavam? Digam nos comentários em baixo!

2 comentários

  1. eu lembro-me que nesse dia era para ir à praia com os meus pais mas o nosso carro avariou e ficamos presos numa entrada de uma garagem, tivemos que voltar para casa no reboque :P só sei que foi nesse dia porque os meus pais, mais tarde, me contaram, porque na altura eu ainda era pequenita.
    beijinhos :) https://ratsonthemoon.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. por alguma razão aquele dia ficou marcado na minha memória apesar de não compreender metade do que estava a acontecer!
      muitos beijinhos!

      Excluir

Muito obrigado pelo comentário!
Eu respondo a todas as mensagens deixadas, pelo que se queres ter a certeza de ver a resposta, não te esqueças de deixar colocada a opção de "notificações".
Boas leituras!

Latest Instagrams

© Delirious Beautiful Mind. Design by FCD.