O Que Devíamos Saber Antes de Viajar Para a Riviera Maya (México)

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Imagem retirada do site Pexels (Imagens Gratuitas)
Estive ausente das redes sociais durante quase dois meses. Sessenta dias sem consultar este cantinho, longe de páginas como o Facebook, Instagram ou Twitter. Foi uma pausa estranha, embora precisa e merecida. Porquê esta pausa? Basicamente, casei-me num fim-de-semana de Junho, num dia de  muito sol entre uma dezena deles cheios de chuva e lidar com o dia-a-dia, o trabalho e a internet estava a dar comigo em doida. Mas, estou de volta e com ideias a borbulhar na massa cinzenta desejosas de saltar cá para fora.
Para a lua-de-mel fui para o México, para uma zona muito turística chamada Riviera Maya. Foram 10h de avião cheias de ansiedade nas quais não me consegui abster do facto de a 5h de viagem estar, literalmente, a meio do Oceano Atlântico, longe de qualquer civilização (ou aeroporto) possível. Não foi fácil e não houve nenhum livro que me conseguisse distrair, mas fí-lo e aguentei! Com isto, a publicação de hoje é sobre tudo aquilo que gostaria de ter tido conhecimento antes de entrar no avião para o país da tequila e das tortillas na esperança de poder iluminar alguém que talvez vá lá pela primeira vez ou que tenha o desejo de ir. 

#1 Gorjetas

A primeira coisa que nos informaram mal colocámos um pé no país do Miguel Rivera é de que, ao contrário de certos e determinados países europeus, as gorjetas são quase obrigatórias. Não lidámos muito bem com esta obrigação e, posso dizer que, nos oito dias que lá ficámos demos gorjeta apenas duas vezes e, uma delas,  cedemos à pressão alheia, possivelmente por estarmos há mais de 24h sem dormir. Obviamente recebíamos olhares não amistosos mas, nada de mal aconteceu.

#2 Mosquitos

Para o México não fui a nenhuma consulta do viajante, no entanto, sabia que medicação levar e, também que devia comprar repelentes. O que não sabia é que os mosquitos mexicanos são completas sanguessugas, insistentes e aparentemente, muito difíceis de matar. Bastava esquecer-me de colocar o repelente para ir jantar e, à sobremesa, estava carcomida e cheia de comichões. O meu conselho é o de levar uma embalagem de repelente por pessoa com 50% DEET (comprei os meus na parafarmácia do pingo doce). Não partilhem, pois não vai chegar para os dias todos. 

#3 Sargaço

Basta uma pesquisa no google para verem a dimensão do sargaço que invadiu as praias do México. Aparentemente é algo que acontece com alguma regularidade e, uma vez que a maior parte das pessoas marca as férias com alguma antecedência, se houverem notícias de sargaço na altura em que vão viajar, não desanimem. Embora as praias do hotel possam ser completamente castanhas e desprezíveis - um pouco diferente das praias com a água azul turquesa que imaginaram - há outras opções. Os cenotes são uma outra via - sem sargaço - para experimentarem as águas cristalinas do México. O Xcaret ou o Xel-Há também. Por outro lado, podem ter sorte e o sargaço pode desaparecer ao final de uns dias. Quando chegámos, a praia estava a abarrotar de camiões a transportar as algas mas dois dias antes de regressarmos estava quase perfeita.

#4 Dinheiro


É importante levarem em dinheiro a taxa de saída do país (65€/pax) mas levem também dinheiro para as vossas despesas. O meu conselho é, sempre que possível, utilizem o cartão de crédito/mastercard/visa pois, sempre que fazem uma compra em euros (eles não têm problema em aceitar o euro, não vale a pena fazer a troca para o peso mexicano, embora essa possa ser feita apenas no hotel) eles é que decidem a forma de dar o troco: em pesos mexicanos, dólares ou euro. Posso dizer que em dinheiro, à excepção da taxa de saída, gastámos apenas 20€ para lembranças. Não se esqueçam que podem - e devem - regatear. Nas barraquinhas, percebemos que turistas americanos e espanhóis - a nacionalidade da maioria das pessoas que nos acompanhava no hotel - aceitavam sem qualquer objecção o preço que lhes era dado, tal como 5$ por um íman. Nós, como bons portugueses, regateámos sempre, o que fez com que trouxéssemos mais, por muito menos.

#5 Água e Comida 

Fomos para o México num regime de tudo incluído e, como tal, a água e a comida não foi algo com o qual nos preocupássemos e, embora houvesse aquela comichão atrás da orelha em relação à proveniência da água e à qualidade da mesma, não tivemos qualquer problema. No quarto do hotel fornecem água engarrafada mas, ao longo do dia, as bebidas com gelo são sempre uma incógnita. Posso dizer que durante os oito dias não bebemos se não granizados ou bebidas com gelo e, nada de mal aconteceu. A comida, por sua vez, era comestível. A carne e o puré de batata foram demasiado doces para o meu estômago mas os nachos/tortillas com queijo é mandatório - delicioso.

#6 Passaporte

Um dos meus maiores medos, para além de ficar doente, era perder os documentos. Se isso acontecesse teríamos de ir à embaixada portuguesa que ficava a mais de três horas de distância. Não era algo pelo qual ansiasse. Falei com várias pessoas e percebi que a protecção do passaporte é algo muito pessoal e que deve ser decidido no local. Para os menos viajados, há quem guarde nas malas de viagem, outros escolhem o cofre do hotel, outros preferem andar sempre com eles. Depende de cada um e da própria segurança que o hotel oferece nesse sentido. Pensem antes de irem e, quando chegarem, avaliem o ambiente à vossa volta. Neste aspecto, não vale a pena preocuparmos-nos antecipadamente.

Foram oito dias longe de tudo o que conhecíamos que souberam pela vida. Há mais para dizer e tanto para contar, no entanto, estes seis tópicos foram, para mim, os mais importantes pois eram aqueles que suscitavam as maiores dúvidas ou ansiedade. O meu conselho é que façam o mesmo que eu fiz. Sempre que tenham dúvidas que achem que é importante, contactem a vossa agência de viagens. A minha agente foi incansável e será - de certeza - uma experiência a repetir.  Pagaram por um serviço, eles devem esclarece-los.


Se tiverem mais alguma dúvida ou questão digam nos comentários em baixo que respondo a todas!

6 comentários

  1. Muito esclarecedor, adorava conhecer o México e terei em conta estes pontos se algum dia lá for :)
    Um enorme beijinho **

    https://bauderecordacoes24.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Riviera Maya é, sem dúvida, um local muito bonito, vale a pena conhecer ;)
      Muitos beijinhos!

      Excluir
  2. Gostei muito post e fiquei curiosa quando o vi no facebook!!
    É sempre bom sabermos dicas de quem já foi a estes sítios e acho que tocaste nos pontos essenciais obrigada pelo post e acho que um dia me vai dar muito jeito!!

    https://throughcathyseyes.blogspot.com/2019/06/love-project-photography.html

    ResponderExcluir
  3. Óptimas dicas!
    Tenho curiosidade de conhecer o México mas não daquele tipo de pessoa que gosta de férias em sítios super turísticos e muito menos com tudo incluído fechada num resort, por isso acho que não é bem para mim haha
    Beijooo

    By Joana Lino × Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahah eu não fiquei só no hotel, fui a umas quantas excursões das quais vou falar noutras publicações :P
      muitos beijinhos,

      Excluir

Muito obrigado pelo comentário!
Eu respondo a todas as mensagens deixadas, pelo que se queres ter a certeza de ver a resposta, não te esqueças de deixar colocada a opção de "notificações".
Boas leituras!